para maiores de 18 anos

11
mar 2013

Sexo a Duas #09 – sexo no pós-parto

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

Que bom que chegou a segunda-feira! O programa de hoje interessa sobretudo aos casais que acabaram de ter um bebê: sexo no pós parto. Depois de um parto normal, por exemplo, algumas mulheres podem ficar com a musculatura do assoalho pélvico mais flácida. A sensação é de que a vagina ficou maior e mais larga, o que acaba prejudicando a qualidade do sexo (em tempo: nem por isso vale a pena optar por uma cesariana, ok? A flacidez pode ser resolvida – ou evitada – se a mulher trabalhar corretamente a musculatura do períneo).

Eu e Rebecca vamos mostrar alguns exercícios vaginais super simples que podem ser feitos em casa mesmo com a ajuda de “cones vaginais” (são pesinhos coloridos usados para fortalecer a musculatura do períneo). Esses pesos são encontrados facilmente em sex shops e um conjunto deles custa em torno de R$60.

Outro tema do programa é a diminuição da libido no pós-parto. Alguém aí já passou por essa situação?

Espero que gostem! Se tiverem qualquer dúvida sobre o programa, podem deixar nos comentários.

Uma ótima semana pra todo mundo.

httpv://youtu.be/va6AmAJwySg

1 comentário

8
mar 2013

Que saco esse Dia da Mulher!

 
publicado em: amor
por: Julieta Jacob
 

Este texto é para você que está de saco cheio dessa história de Dia da Mulher, que não aguenta mais o clichê de receber flores e chocolates, e passa mal quando alguém vem com o papo de que ser mulher é uma bênção da natureza.

É verdade que esse dia virou meio piegas mesmo. É verdade que receber uma flor do sujeito que te paga um salário mais baixo pelo simples fato de você ser mulher provoca ânsia de vômito. É verdade que a publicidade explorou tanto essa data, que acabou provocando o efeito contrário: reforçou o sentimento de inferioridade e fragilidade das mulheres. Afinal, se fôssemos fortes e importantes o suficiente, não precisaríamos de um dia para lembrar isso ao mundo, correto?

Calma, nem tudo está perdido. Vamos pegar carona nesse 08 de março para dizer algumas coisinhas.

Parece anacrônico, parece incoerente falarmos em Dia Internacional da Mulher em 2013, quando no Brasil as mulheres já conquistaram o direito ao voto, já entraram no mercado de trabalho, já se libertaram da escravidão da maternidade graças à pílula anticoncepcional e quando já temos até uma mulher no principal cargo do país. Já não basta? (Não, não basta). O que mais querem as mulheres? (Continue a ler e terá a resposta).

Bom, em 1857, as 130 operárias de uma fábrica de NY, queriam apenas a equiparação de salários com os homens (elas chegavam a receber até um terço do salário deles para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. Acabaram carbonizadas dentro da fábrica.

Mas a luta delas não foi em vão. A História nos mostra como a mulher foi oprimida ao longo dos milênios de instauração do sistema patriarcal, que aprisionou e idiotizou a mulher. Até chegar ao ponto de operárias fazerem uma greve reivindicando melhores condições de trabalho, muita coisa rolou. A tragédia de 1857 foi também uma grande vitória.

Vamos relembrar algumas pérolas:

> Aristóteles imaginava que o feto era produzido pelo encontro do esperma com o sangue da menstruação, e que nessa simbiose a mulher forneceria apenas uma matéria passiva, cabendo ao homem o princípio masculino de força, atividade, movimento e vida.

> Hipócrates reconhecia duas espécies de sêmens: um fraco ou feminino, e outro forte ou masculino.

> Hegel estimava que os dois sexos deviam ser diferentes: um seria ativo e o outro passivo, e naturalmente a passividade caberia à fêmea.

> Pitágoras disse: “Há um princípio bom que criou a ordem, a luz e o homem, e um princípio mau que criou o caos, as trevas e a mulher”.

> Hesíodo disse: “Quem se confia a uma mulher, confia-se a um ladrão” (a mulher grega era reduzida a uma semi-escravidão. Não tinha sequer a liberdade de se indignar).

> Sirmônide de Amorga foi além. Ele disse: “As mulheres são o maior mal que Deus jamais criou: que pareçam por vezes úteis, logo se transformam em motivo de preocupação para seus senhores”.

> Hiponax chegou ao extremo: “Só há dois dias na vida em que nossa mulher nos dá prazer: no dia de núpcias e no dia do enterro dela”.

> Na Idade Média, houve um concílio para decidir se a mulher tinha alma ou não. Claro que só os homens podiam votar. Com a diferença de apenas um voto, decidiu-se que a mulher, assim como o homem, também tinha alma.

> Até o século 19, ainda se discutia o tamanho da vara com que os homens podiam espancar a mulher.

Fiz questão de relembrar essas ideias para mostrar que essa lógica de inferiorização da mulher não foi criada do dia para a noite. Foram mais de cinco mil anos para que essa mentalidade machista fosse construída e solidificada nas sociedades ocidentais. A força dessas ideias é tamanha, que ainda hoje tem gente que acha o machismo e o mito da superioridade masculina algo absolutamente “natural”.

E hoje, o que querem as mulheres?

As mulheres de hoje (algumas delas, não posso falar por todas, já que há muitas mulheres machistas) querem ver a derrocada completa dos valores patriarcais. O desmoronamento já começou, até porque muitos homens se viram oprimidos pelo próprio sistema machista (que também prejudica a eles). Mas se os valores patriarcais levaram cinco mil anos para se consolidarem por completo, não vai ser do dia para a noite que esse cenário vai mudar. É impossível estimar um prazo exato para que isso aconteça.

Além do mais, a muitos não interessa essa mudança porque ela envolve um grande jogo de poder. A forma como a lógica do mundo ocidental foi estruturada coloca o homem como um ser melhor, superior. Muitos não querem perder essa posição e por isso são contrários às ideias feministas. Quem pensa que feminismo são mulheres que querem ser melhores do que homens, está enganado. Uma pessoa feminista é aquela que não vê sentido na lógica patriarcal e luta pela igualdade dos gêneros. O objetivo é apenas corrigir distorções perpetuadas ao longo de milênios.

E essa discussão, embora pareça enfadonha, ainda faz sentido nos dias de hoje. Porque ainda tem gente (e quando eu digo gente eu me refiro a homens e mulheres) que pensa que lugar de mulher é na cozinha, que as mulheres nasceram para serem mães e não podem usar roupas curtas se quiserem ser respeitadas; que os homens têm que ser os provedores da família e sempre pagar a conta do cinema ou do motel; que mulheres merecem ganhar menos, mesmo desempenhando a mesma função que homens; e que homens podem espancar mulheres e permanecer impunes. O fato de termos uma mulher na presidência não esconde essa realidade. A igualdade deve estar também presente nos pequenos gestos do dia a dia. E uma nova mentalidade só pode se instalar se os indivíduos compactuarem com ela.

Portanto, os chocolates, as flores, os mimos e todo o blá blá blá do 08 de março só fazem sentido se vierem acompanhados da crença na igualdade de gênero e numa sociedade sem sexismos. Do contrário, não passa de um presente de grego.

Hoje, pela primeira vez em muitos anos, eu não exclamei “que saco esse dia da mulher!”. E acho que dificilmente voltarei a fazê-lo.

Desejo um feliz dia a todas as mulheres, não só àquelas que são biologicamente mulheres, mas a todas as pessoas que se identificam e se sentem como mulheres. E que esse dia seja feliz não apenas hoje, mas todo dia.

Para encerrar, copiei um trecho citado pela escritora regina Navarro Lins, n’O Livro do Amor:

“A diferença entre os sexos é anatômica e fisiológica. O resto é produto de cada cultura ou grupo social. Tanto o homem quanto a mulher podem ser fortes e fracos, corajosos e medrosos, agressivos e dóceis, passivos e ativos, dependendo do momento e das características que predominam em cada um, independentemente do sexo. Insistir em manter os conceitos de feminino e masculino é prejudicial a ambos os sexos por limitar as pessoas, aprisionando-as a estereótipos”.

nenhum comentário

6
mar 2013

Oficina de educação sexual para jovens

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

A dupla dinâmica do Sexo a Duas ataca novamente! É com muita alegria que eu e Rebecca apresentamos a nossa oficina de Educação Sexual para jovens. Se você tem entre 13 e 17 anos, junte-se a nós numa manhã divertida e com muita informação sobre sexo e sexualidade.

A gente sabe que na adolescência é super normal surgirem dúvidas e curiosidades sobre esses assuntos e que os mitos e tabus podem virar bichos de sete cabeças se não forem devidamente esclarecidos. Com a gente, sexo é um assunto leve, prazeroso e sem neuras.

Participe da nossa oficina! As vagas são limitadas.

 

A oficina lúdico-pedagógica tem como objetivo esclarecer dúvidas sobre temas do universo adolescente, tais como: masturbação, ficar/namorar, iniciação sexual e métodos contraceptivos. Tudo isso por meio de atividades dinâmicas e interativas inseridas em um contexto informativo e descontraído.

A adolescência é uma fase marcada por modificações físicas e comportamentais típicas da transição entre a infância e o mundo adulto. É um período de descobertas, de definição da identidade sexual, de curiosidade por novas experiências, de vivência da afetividade e busca de independência individual. Por isso, é fundamental que os adolescentes tenham a oportunidade de conversar sobre suas dúvidas e possam ter acesso a informações seguras que possam ajudá-los no processo de educação sexual e no desenvolvimento de sua sexualidade.

Jovens que não recebem uma orientação adequada ficam à mercê da própria sorte diante do desafio de serem autodidatas do sexo. Isso pode trazer consequências como gravidez indesejada, abortos, contágio por doenças sexualmente transmissíveis e uso de drogas/álcool, o que pode comprometer os projetos futuros e trazer prejuízos para a saúde e o bem-estar.

Quem somos:

Julieta Jacob – jornalista, educadora sexual, apresentadora do web programa Sexo a Duas e fundadora do blog erosdita.com.br.

Rebecca Spinelli – ginecologista, terapeuta sexual e apresentadora do web programa Sexo a Duas.

Sobre o local:

A oficina será no auditório do Trinus Office, que fica no bairro de Casa Forte, no Recife. Saiba como chegar (veja o mapa).

Antes de terminar, uma boa notícia: em breve teremos também oficinas sobre outros temas e para outras faixas etárias! Aguardem!!!

nenhum comentário

4
mar 2013

Sexo a Duas #08 – gravidez

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

Mais uma semana começando! Sexo a Duas inédito no ar. O tema desta semana é muito legal, recebemos várias perguntas sobre ele e com certeza faremos outros programas sobre gravidez em outras temporadas.

Antes de ver o programa #08, é preciso esclarecer duas coisinhas:

1) Varicocele é a dilatação anormal das veias do testículo que prejudica a qualidade do sêmen e pode ser uma das causas da infertilidade masculina.

2) Micropolicistos são múltiplos e pequenos cistos (nódulos) nos ovários que podem dificultar a gravidez por estar relacionado à falta de ovulação.

Uma semana maravilhosa a todos!

httpv://youtu.be/4bb2qhnvVmQ

1 comentário

28
fev 2013

Camisinha delivery

 
publicado em: amor
por: Julieta Jacob
 

Aplicativo promete entregar camisinhas na hora H, onde você estiver.

Agora que você conhece o serviço, a ideia pode até parecer óbvia. Como é que alguém não pensou nisso antes? Bom, pode até ter pensado, mas essa é a primeira vez que eu vejo alguém colocá-la em prática. A marca de preservativos Durex lançou um aplicativo chamado SOS Condoms (gratuito), que promete entregar camisinhas onde a pessoa estiver, seja dia, noite ou madrugada.

É um serviço de urgência, para aqueles momentos em que você só percebeu que está sem camisinha na hora H. Para receber o produto, basta informar a sua localização. A empresa garante que a entrega é rápida e que os entregadores são discretos, mas tenho minhas dúvidas: qual seria o tempo máximo de espera para que o casal não perca o tesão do momento? E as entregas em horários de pico, em cidades grandes e cheias de engarrafamentos?

Mesmo assim, não dá para negar que a ideia, além de boa, está a serviço de uma ótima causa: o sexo seguro! Sem dúvida, vale a pena esperar alguns minutos a mais para garantir uma transa bem protegida.

Reprodução de vídeo

Reprodução de vídeo

Assista ao vídeo (muito bem-humorado, por sinal) promocional do serviço:

httpv://youtu.be/UpfxY_KIXu4

Por enquanto o serviço é restrito a algumas cidades. A empresa promoveu uma votação no site para saber para onde expandi-lo.

Foto: reprodução

nenhum comentário

27
fev 2013

Marina Abramovic reencontra Ulay

 
por: Julieta Jacob
 

A história é a seguinte: na retrospectiva que o MoMa de Nova Iorque preparou para Marina Abramovic, em 2010, a própria artista compartilhava um minuto de silêncio com qualquer pessoa que se sentasse à sua frente. E lá estava ela em mais um dia de trabalho quando, para sua surpresa, o “estranho” que chega é ninguém menos do que Ulay, com quem a artista viveu uma intensa história de amor durante cinco anos, na década de 70.

"Relation in Time". Marina e Ulay – 1977

O mais interessante é como essa história de amor acabou! Quando Marina e Ulay sentiram que a relação já não valia mais a pena, decidiram fazer uma despedida em grande estilo: percorrer juntos a Grande Muralha da China. Cada um começou a caminhar de um lado para se encontrarem no meio, dar um último abraço um no outro, e nunca mais se ver.

O reencontro dos dois só ocorreu 23 anos mais tarde, lá no MoMa, quando Ulay chegou sem que Marina soubesse. Esse vídeo mostra a emoção de reencontrar um antigo amor. Foi um minuto de silêncio que diz muita, muita coisa…

httpv://youtu.be/XNcWRbh8wQA

nenhum comentário

25
fev 2013

O dia em que a humanidade parou de se masturbar

 
por: Julieta Jacob
 

Imagine se, de repente, passasse a vigorar uma lei que proibisse a masturbação com o argumento de que “cada vez que um homem se masturba, outro homem morre”?  O pessoal da Golden Moustache não apenas imaginou, como fez um vídeo ilustrando o que aconteceria caso essa lei fosse decretada. Dá uma olhada!

httpv://youtu.be/PFsv8BqYieU

O que acharam? Se essa lei existisse, quem assume que iria para a cadeia?

1 comentário

25
fev 2013

Sexo a Duas #07 – orgasmo feminino

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

Olá, pessoal! Mais uma semana começa com cheiro de pão quentinho e, como de costume, uma ótima forma de iniciar a segunda-feira é assistindo ao Sexo a Duas (ao menos a gente espera que assim seja).

O tema do programa de hoje foi decidido por votação democrática entre nossa seleta audiência: orgasmo feminino.

Bom programa e uma semana super excitante!

httpv://youtu.be/7Bg7iCW7hA8

3 comentários

24
fev 2013

Há 81 anos: brasileiras conquistam o direito de votar

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

Mulheres do meu Brasil, vocês se lembram em quem votaram na eleição passada? Dependendo da sua idade, votar pode parecer algo tão normal quanto usar calça jeans, mas talvez a sua avó ou bisavó discorde disso. Hoje é dia de refrescar a memória.

É que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi marcado por uma grande conquista: finalmente o voto feminino foi assegurado no país pelo Decreto 21076, após intensa campanha nacional pelos direitos políticos das mulheres. A longa luta saiu vitoriosa ao desconstruir, aos poucos, o discurso de inferiorização da mulher.

“Em 1890, na Assembleia Nacional Constituinte, os deputados discutiram se as mulheres teriam ou não direito a voto no país. Quem era contra (vale lembrar que todos os deputados da época eram homens) elaborava argumentos que enfatizavam um caráter negativo na formação biológica e psicológica das mulheres. E foi esse discurso que prevaleceu até 1932”, lembra o historiador Tiago Maranhão.

Veja alguns cartazes da luta pelo voto feminino ao redor do mundo.

 

nenhum comentário

24
fev 2013

Ted, o garanhão

 
por: Julieta Jacob
 

Imagine se o seu namorado de 35 anos tivesse um ursinho de pelúcia como amigo e confidente? Pode soar brochante, mas se esse ursinho for Ted, a história se torna bem excitante! Ted, além de ser o protagonista do filme homônimo (Ted, do diretor Seth MacFarlane), é o ursinho que todos gostaríamos de ter lado a lado, até o fim dos nossos dias.

Ele mantém com o seu dono, John, uma sintonia e uma cumplicidade de fazer inveja a muitos amigos-do-peito. São companheiros inseparáveis. E antes que você se deixe enganar pelo seu semblante ingênuo de propaganda de amaciante de roupas, saiba que Ted não tem absolutamente nada de fofo. É um ursinho inteligente, bronco, bonachão, boêmio e muito, muito engraçado. Fã de Flash Gordon, Pink Floyd, maconha, cerveja e mulheres.

Apesar de não ter pênis (aspecto sobre o qual reclamou diversas vezes para a empresa de brinquedos que o fabricou), Ted transa com todas as mulheres que deseja, mostrando que “enquanto tiver língua e dedo, nenhuma mulher lhe mete medo”.

O filme, na verdade, é uma fábula leve e divertida (um pouco abestalhada, é verdade, mas nem um pouco bobinha) sobre amizade, maturidade e a coragem de fazer escolhas (e assumir o risco que  elas nos trazem). Também mostra que lidar com os amigos do seu namorado recorrendo ao ultimato “ou eles ou eu” não funciona.

Tá de bobeira hoje? Vai na locadora e aluga esse filme. Garantia de boas risadas!

httpv://www.youtube.com/watch?v=9fbo_pQvU7M

nenhum comentário

Copyright © 2011 - Julieta Jacob - Todos os direitos reservados